quarta-feira, 18 de maio de 2016

TODAS AS COISAS TÊM UMA COISA POR DIZER

No âmbito da habitual Hora do Conto, coube às duas salas do Jardim de Infância vir conhecer  - dias 17 e 18 de maio - a belíssima história  "Porque há tantas pedras no rio?" recontada por Belén Diaz  a partir de um conto tradicional africano e novamente através do recurso à técnica do kamishibai,

Os pequeninos leitores discutiram o significado desta história, ponderaram sobre a origem das pedras, discutindo fenómenos de erosão, recordaram animais em vias de extinção, e conheceram alguns animais de que nunca tinham ouvido falar, tais como impalas, elandes, órixes e kudus.



Também, e como os colegas do 1.º Ciclo já haviam sido convidados a pintar uma pedra com as cores e padrões da savana, os alunos do pré-escolar pintaram peixinhos coloridos que se foram juntar aos animais selvagens da savana africana - o que calhou mesmo bem após uma visita recente ao Oceanário de Lisboa. 

Fiquem aqui com algumas imagens da savana de pedras que está a enfeitar a entrada da nossa Biblioteca.


As pedras falam? Encontrem a resposta no belíssimo poema de 

Maria Alberta Menéres

As pedras

As pedras falam? pois falam
mas não à nossa maneira,
que todas as coisas sabem
uma história que não calam.

Debaixo dos nossos pés
ou dentro da nossa mão
o que pensarão de nós?
o que de nós pensarão?

As pedras cantam nos lagos
choram no meio da rua
tremem de frio e de medo
quando a noite é fria e escura.

Riem nos muros ao sol,
no fundo do mar se esquecem.
Umas partem como as aves
e nem mais tarde regressam.

Brilham quando a chuva cai.
Vestem-se de musgo verde
em casa velha ou em fonte
que saiba matar a sede.

Foi de duas pedras duras
que a faísca rebentou:
uma germinou em flor
e a outra nos céus voou.

As pedras falam? pois falam.
Só as entende quem quer,
que todas as coisas têm
uma coisa para dizer.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

A Revolução dos Cravos explicada às crianças

A passada Hora do Conto que contou com todas as turmas do 1.º Ciclo da EB D. Carlos I (2.º A e 3.º A - 22 de abril -; 4.º A e 4.º B - 26 de abril -; 3.º e 4.º B- 29 de abril - e 1.º A, 2.º e 3.º A - 6 maio) teve como pano de fundo as comemorações do Dia da Liberdade.

O livro O Tesouro de Manuel António Pina foi o ponto de partida para um debate sobre a vida em Portugal antes deste dia e as causas que conduziram à ação militar dos dias 24 e 25 de Abril de 1974 que depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933, e iniciou um processo que viria a terminar com a implantação de um regime democrático e com a entrada em vigor da nova Constituição a 25 de Abril de 1976.


Após este debate os alunos tiveram ainda a oportunidade de realizar alguns jogos interativos sobre a revolução em que tiveram de descobrir palavras escondidas, completar o nome de militares de abril e construir puzzles com cartazes da revolução.

No final da atividade os alunos foram ainda convidados a fazer desenhos sobre o tema da liberdade e a descrever o que era para eles a liberdade e o que gostariam de fazer com ela.



A atividade culminou com a entoação da canção "Portugal Ressuscitado" de José Carlos Ary dos Santos.





 Se quiserem ler esta magnífica história de Manuel António Pina cliquem na imagem: